sexta-feira, 4 de abril de 2014

Março 2014


Balanço de mais um mês de corridas 
Um mês quase normal em quantidade de quilómetros.
Trilhos é que nada! Opção pessoal que vai durar ainda mais uns tempos. Até lá é só passadeira e estrada!

A bicicleta também tem estado de repouso. A última vez que foi vista estava na garagem, perdida no meio de “cenas-que-se-guardam-porque-fazem-muita-falta”, (leia-se “Tralhas”).
O mês de treinos iniciou-se com um treino de 30 quilómetros pelo vale do Liz em Leiria. O ritmo foi razoável, o tempo estava ideal, sem frio nem calor, apenas uns pingos de chuva mas sem incomodar muito.
O problema é que quando o corpo arrefeceu surgiu uma dor no pé direito, na zona exterior no tendão de Aquiles e que, limitou um pouco o andamento durante duas semanas.

De facto, algumas pessoas são mais propensas a lesões do que outras. Conheço malta das corridas que nunca se lesionaram, enquanto outros, como eu próprio, “arranjam” lesões por Dá-cá-aquela-palha. Por vezes sem razão aparente ou causa objectiva!
Destaco também em Março os treinos efectuados em estradão florestal na zona entre Figueira da Foz e Praia de Mira, por onde vagueio aos fins-de-semana.

Esta zona é quase absolutamente plana, todavia estes percursos  têm peculiaridades muito interessantes uma vez que são constituídos por conjuntos de linhas rectas com vários quilómetros.
Assim, o principal desafio é ao nível psicológico. Chega-se a correr durante uma hora e até mais sem vislumbrar o fim da estrada.

É caso para dizer que ando a fazer boa justiça ao título do blog. Sorte que, na altura em que criei este espaço andava a reler um conhecido livro de Jack Kerouac J
Talvez possa não parecer nada de especial para quem nunca tenha corrido por sítios do género mas, mas na verdade surge com facilidade a vontade de desistir, de parar, de fazer uma pausa, etc..

Este treino psicológico é essencial para quem como eu, quer fazer maratonas com um treino base muito pequeno. Na ordem dos 200km/mês.
Assim, aprendemos a lidar com o turbilhão de pensamentos negativistas que surgem (no caso pessoal) aos 33-35km, quando já todas as partes do corpo se negam a continuar com aquele non-sense, e ainda assim, conseguir chegar ao fim da corrida!

Assim vão sendo as coisas por estas bandas!
Ficam umas fotos para colorir a página…

Boas corridas!


Estradão florestal da Praia da Tocha
 
Estradão florestal da Praia da Tocha - Antiga casa da Guarda Florestal
 
 
Estrada florestal da Praia da Tocha
 
Treino de 15 de Março
 
 
Treino de 16 de Março


Treino de 29 de Março.

quarta-feira, 5 de março de 2014

Fevereiro 2014


Um mês de treino reduzido. Ainda assim, foram onze sessões de passadeira, três sessões na zona da Figueira da Foz uma das quais com parte nas dunas da praia e ainda, um treino em Leiria nas planuras do rio Liz.

Total: 133,9 km

Quanto a trilhos, zero.

Talvez dentro de um mês a situação volte ao normal. Até lá estou em modo “Eco”.

Ficam algumas fotos dos treinos outdoor para colorir a prosa J
22-Fev, Estrada florestal do Palheirão


22-Fev, Estrada florestal do Palheirão


22-Fev, Praia do Palheirão

22-Fev, Dunas entre Palheirão e Tocha

22-Fev, Dunas entre Palheirão e Tocha
 
22-Fev, Treino Praia da Tocha a Palheirão

28-Fev, Leiria, Leiria vista do monte da Sra da Encarnação

28-Fev, Leiria, Caleidoscópio photoshop

28-Fev, Leiria, no alto da Sra da Encarnação

 
28-Fev, Treino em Leiria
 

sábado, 8 de fevereiro de 2014

Leituras.




As últimas semanas não têm sido muito favoráveis à corrida. Mesmo assim e, quando a força de vontade leva a melhor, tira-se o "respectivo" da cama às 5h45 para "malhar" meia hora na passadeira revendo episódios antigos dos CSI.

Olhando para a vida de uma forma positiva, pode-se dizer que a diminuição do volume de treinos permitiu alguma recuperação muscular, cujo efeito prático foi o desaparecimento das dores "crónicas" nas pernas que já me apoquentavam há alguns meses.

Não será então totalmente disparatada a teoria de que o descanso também faz parte do treino!

Também houve lugar a algum tempo passado em salas de espera, que serviram apesar de tudo para pôr leituras em dia.

Um livro interessante, de leitura leve, para os aficionados do Running, chama-se " O homem da Ultra Maratona" do conhecido Dean Karnazes. Relata algumas corridas e episódios da vida deste atleta.

Confesso que não tinha grande opinião acerca do Dean Karnazes! "Ouvi" falar dele pela primeira vez no "Nascidos para correr" e convenhamos que a ideia transmitida não é a mais simpática. Nesse livro, Karnazes é apresentado como alguém que vive para o protagonismo pessoal, associado ao mercantilismo puro das marcas desportivas.

Bom, não será bem assim… o próprio Christopher McDougall, o autor do “Nascidos para correr” também estará incluído no grupo daqueles que lucraram muito com a febre das corridas que se vive actualmente, em particular no mundo ocidental!

De qualquer modo, este é um livrinho que se lê muito bem e que se recomenda para aqueles bocadinhos livres que temos às vezes.

Até Março não deverá haver possibilidade de participar em provas, mas diga-se de passagem que, a vontade também não é muita. A participação em provas traz muita pressão, com viagens, horários, €’s, etc., e tudo isto tira um bocado do prazer da “coisa”.

Uns treinos com companhia ou até em modo solitário, por uns “montes e vales” deste país, acabam também por ser muito divertidos!

Treino de 8 de Fevereiro na Praia da Tocha-Figueira da Foz. O primeiro na rua de há mês até agora.
Veremos como evoluirão as coisas. Para já, a única inscrição activa é para a Maratona do Porto, em Novembro!
Boa semana e boas corridas!