sexta-feira, 24 de junho de 2016

Jogos ferroviários 2016


18 de Junho, Montemor-o-Velho, Centro de alto rendimento de Remo e Canoagem.
Pela segunda vez aceitei com enorme prazer o convite para representar a equipa do BTTrain na corrida dos jogos ferroviários.
A equipa BTTrain presente na corrida

A corrida teve a distância de 9.800 metros, consistindo em duas voltas à pista de remo do centro de alto rendimento de Montemor-o-Velho.
Estiveram representados os clubes de Campanhã, BTTrain (de Coimbra), Vendas Novas e Barreiro.
O Garmin a marcar 9,88 km em 42m56s, tendo fica do em 18º lugar (não confirmado uma vez que ainda não foi divulgada a classificação geral)
Excelente ambiente de camaradagem, com uma corrida muito disputada e uma grande almoçarada no final.

Venham os próximos jogos ferroviários!
Pista de remo de Montemor-o-Velho

Pista de remo de Montemor-o-Velho


O Pódio masculino

O Pódio feminino
Pódio por equipas, o BTTrain em segundo lugar


10ª Meia Maratona da Figueira da Foz

A cidade da Figueira da Foz teve no dia 12 de junho a sua 10ª edição da meia maratona.
Para a minha conta pessoal já lá vão quatro participações que deixam sempre boas recordações, principalmente pela cidade nem sempre pela prova propriamente dita.
Em 2016 pelo contrário, decorrente talvez de uma aprendizagem por parte da organização do Atletas.net com os erros de anos anteriores, a prova esteve praticamente perfeita.
O percurso atual pode não ser o melhor para conseguir recordes pessoais como p.ex. a meia maratona da ponte 25 de abril, mas ainda assim é plano q.b. e caso não calhe num dia ventoso será bem mais "amigável" do que a meia da Nazaré por exemplo.
Além disso, em termos pessoais, a Figueira da Foz tem um significado muito especial visto ter sido a minha residência oficial durante dez anos, sendo as memórias mais importantes associadas ao descanso, lazer e marcos fundamentais de vida como o início da vida de casado e o nascimento do meu filho. O lado chato do trabalho por outro lado estava associado a Coimbra nos primeiros anos e a Lisboa depois.
Voltando à prova, esta teve o seu início no forte de Sta. Catarina como habitualmente, seguindo na direção da Estacão de Caminhos de Ferro, efetuando o primeiro retorno numa rotunda de acesso à autoestrada A14.

Regressa-se à cidade.
Corre-se fácil até ao jardim central. Vira-se à direita rumo ao parque das Abadias.
Passa-se junto ao edifício do tribunal onde funciona o cartório onde casei e "registei" o meu filho.
Sobe-se o parque das Abadias, com os seus longos 2km.
Novo retorno no parque de campismo e desce-se pelo mesmo caminho.
Tenta recuperar-se um pouco do que se perdeu na subida, embora esta luta seja sempre inglória, isto é, o desgaste e tempo perdidos na subida nunca se conseguem recuperar por completo na fase da descida!
Voilá! De novo na zona baixa junto à foz do Mondego, segue-se agora para a marginal rumo a Buarcos.
Em Buarcos faz-se uma incursão na variante do centro de saúde, apenas para somar distância e retorna-se à marginal.
Agora sim, entramos na fase final da corrida!
Falta apenas ir à fábrica de cimento do Cabo Mondego e regressar à Figueira a toda a velocidade. São sete quilómetros mais qualquer coisa.
Das experiências anteriores sei que pode-se “dar tudo” nesta fase da corrida.
Na reta final para a meta (foto by João Teixeira)

A seguir ao retorno da fábrica do cimento faço das tripas coração e imponho-me um ritmo mais elevado até à meta.
Termino a corrida com 1h37m43s.
Não foi um tempo brilhante é certo! Há três anos tinha feito nesta prova quatro minutos menos …
Ainda assim dei-me por muito satisfeito tal foi o esforço que esta prova me exigiu desde início. Lembro-me que aos cinco quilómetros já ia com a sensação clara de esgotamento.
Desde os cinco quilómetros até ao retorno do Cabo Mondego, corri mais com as “ganas” do que com os músculos. Curiosamente após esse retorno, aos 16k senti-me estranhamente leve, correndo com facilidade e com um bom ritmo!
Chegada à meta (foto: Atletas.net)

Balanço final muito positivo. A organização aprendeu com os erros das edições anteriores, apresentando agora com gala e circunstância uma meia maratona com 21.097 metros, facto que em duas das minhas quatro participações não se verificou!
Assim é bom regressar à Figueira da Foz!

Boas corridas!
Mais um diploma obtido ao domingo :)

quinta-feira, 12 de maio de 2016

XXVI Grande Prémio da Barreira


A freguesia da Barreira, agora integrada na União de freguesias de Leiria, Barreira, Cortes e Pousos, situa-se a sul da cidade de Leiria com início na zona do Quartel Militar RA4.
A localidade da Barreira desenrola-se ao longo de uma estrada que se estende pelo topo de montes e colinas, até entroncar com a estrada da Batalha para Fátima.
Barreira - Leiria, o local de partida e chegada
A paisagem é magnífica quando comparada com a que se avista em Leiria, uma vez que esta fica num vale.
O Clube de Atletismo da Barreira organiza há 26 anos a sua corrida de estrada, numa distância de cerca de 10 km.
Esta corrida tem como é natural, características de declive próprio da zona, geralmente mal apreciadas por corredores tradicionais de estrada.
Mas enfim, é o perfil da zona e só há um remédio: Treinar!
O grande maestro desta prova - Jorge Agostinho
A prova principal deste ano teve 78 participantes, o que de facto não é muito, comparado com edições anteriores. Notei a falta de adesão de algumas outras equipas de Leiria, o que é pena.
Depois, existirão outros factores a contribuir para a baixa participação, como por exemplo a enorme quantidade de provas existentes, o facto de as provas curtas serem geralmente muito rápidas exigindo um tipo de treino mais duro do que o "jogging" praticado por 80 ou 90% dos corredores actuais (grupo onde me incluo), e por último, a falta de "glamour" de correr num sítio "normal" e não num MIUT ou num UTMB.
Que diabo! Que figura é que se faz, chegar ao escritório ou ao ginásio e dizer que se foi correr à Barreira, à Marinha Grande ou à Bajouca!
Ir a provas caras em locais exóticos é que dá estatuto!
Acho que é uma pena não haver mais participação nestas provas, e espero bem que as organizações não desistam de continuar a promovê-las.
Outro aspecto que acho bem realçar é o grau competitivo que se encontra nestas corridas, em comparação com as corridas de massas das grandes cidades!
O pessoal que  corre por aqui não é bem praticante de jogging! São mesmo corredores à séria!
Não subestimem os sexagenários que veem na linha de partida, porque muitos deles vão terminar à vossa frente!
Enfim, eu não serei propriamente um exemplo de corredor nato, mas tive de suar as estopinhas para não me deixar ultrapassar no último quilómetro por um atleta M60 que não descolava, e que nem por isso foi o vencedor do respectivo escalão!
Saldo final positivo com um "honroso" 48º lugar de um total de 78 participantes.
Saudações desportivas e até para o ano!
Pódio Geral Feminino
 
Pódio Geral Masculino
Pódio por Equipas
Em plena aceleração :) (Foto by Ana Afonso)

O perfil da prova